Você está aqui: Capa » COLUNISTAS » Leondenis Vendramim » O melhor livro de ética – 7
04/08/2017

O melhor livro de ética – 7

Leondenis Vendramim é professor de Filosofia, Ética e História (Foto: Arquivo pessoal)

Leondenis Vendramim é professor de Filosofia, Ética e História (Foto: Arquivo pessoal)

ARTIGO | Outra faceta da ética bíblica é a humildade. Uma palavra bem curiosa se virmos pelo seu lado etimológico. Ela se origina do latim “húmus” que significa terra. Dela tem “humilita” que é lugar de pouca elevação, pequena estatura, baixo e por e extensão, de caráter humilde, humildade, e então, humilhado, pobre, modesto, fraco, simples, simplório, etc. Também é curiosa a palavra Adão em hebraico “Âdâm” (o primeiro homem criado por Deus da terra) quer dizer terra vermelha (dizem os teólogos que Adão tinha a pele de cor mulata avermelhada). Deus, assim o nomeou (Gn 5:1-2). A palavra tem uma designação genérica, ou seja, tem o significado de humanos, incluindo Eva e todas as mulheres. Como descendentes dele somos todos adões, irmãos, humanos, todos somos terra. Humildade seria uma virtude de não se exaltar diante de outros; modéstia; por extensão simples, pobre. Ao interceder por Ló e seus concidadãos Abraão se humilhou diante de Deus dizendo: “Eu me atrevo a falar ao Senhor, eu que sou pó e cinza”. Os homens se vestiam de pano de saco e se cobriam de pó para se mostrarem humildes e tristes ao reconhecerem-se pecadores e pedirem perdão (Est. 4:3; Jonas 3:6-9). Em nada diferimos uns dos outros, não importa o status social, a situação econômica, a cor da pele, quando morrermos, nós humanos, voltaremos à terra. Ah, sim, há uma coisa que nos difere uns dos outros diante do Criador e da sociedade, o caráter, e a humildade é uma das pedras que o forma.
Quanto mais culta é a pessoa, mais reconhece suas necessidades de aprender; quanto mais cristã, mais enxerga suas faltas de caráter, quanto mais humilde mais compreende que não há motivos para vangloriar-se. Aquele que se esforça por mostrar humildade transparece seu narcisismo. Sócrates (400-399 a.C.) disse a Antístenes (filósofo fundador do cinismo 444-365 a.C.): “Através dos buracos da tua capa posso ver o teu orgulho”. Os judeus fariseus foram recriminados por Jesus porque faziam longas orações nas praças, sentavam-se nos primeiros bancos da igreja, vestiam e adornavam-se como os melhores cristãos, mas eram como “túmulos caiados”, belos por fora, mas por dentro cheios de imundícias e hipocrisias. O humilde, como o cristão, não precisa contar que é seguidor de Jesus; todos veem que ele o é por suas atitudes e pelo seu modo de ser. Cristianismo é prática. Jesus disse aos Seus: “…Eu vos dei o exemplo para que, como Eu fiz, façais vós também” (Jo 13:15). Ele também recomendou: “Tomai sobre vós o Meu jugo e aprendei de Mim que sou manso e humilde de coração” (Mt 11:29).
Luiz F. Pondé, professor de filosofia, articulista da Folha de S. Paulo, diz que humildade é o reconhecimento da própria insuficiência necessário e eficiente para conviver com Deus, é a mais profunda forma de libertação já descrita, imbatível como experiência existencial. E ainda: “Nosso vazio (humildade) enxerga Deus melhor do que nosso orgulho” Folha de S. Paulo, p. C6.
Os soberbos não sentem suas insuficiências, não sentem necessidade de perdão, de auxílio, de aprendizagem. Pensam-se ricos por isso continuam pobres, julgam-se como Adônis (da mitologia), mas ainda são Vulcanus (deus do fogo). Como ilustra Jesus, um fariseu dava graças a Deus porque não era pecador, tinha muitas virtudes, e assim, não recebeu coisa alguma, enquanto o cobrador iniquo recebeu bênçãos porque confessou ser necessitado e suplicou (Lc 18:9-14). Humildade é despir-se do orgulho, da ufania para reconhecer-se necessitado do perdão e das bênçãos divinas, é compreender-se semelhante aos demais humanos. Contudo, não seja confundida com humilhação chã, não é aniquilar-se, pois somos filhos do Rei do Universo. Todos somos dotados pelo Criador com valores, talentos a fim de ajudarmos os menos favorecidos.
São Pedro escreveu: “cingi-vos de toda humildade, porque Deus resiste aos soberbos”. “Diante da honra”, diz Salomão (Pv 18:12), “vai a humildade”. Ninguém foi tão humilde como Jesus, que sendo Deus tornou-Se homem, assumiu as culpas da raça humana e por isso foi espancado, cuspido e crucificado, contudo é honrado pelo mundo e pelos céus. Humildade é característica dos verdadeiros sábios!